PÁGINAS
  • 10:01
Na próxima quarta-feira, 08 de Março, a Secretaria de Assistência Social, em parceria com o Movimento de Mulheres Trabalhadoras de Retirolândia (MMTR), do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Retirolândia (COMDIM) e o Sindicato dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (SINTRAF), promove um evento em virtude do Dia Internacional da Mulher. Será na praça da Zebrinha a partir das 07:00h, com previsão de terminar às 12:00h. Contamos com sua presença!
Comemora-se o Dia Internacional da Mulher em 8 de março por causa de um episódio histórico. Nesse mesmo dia em 1911 as funcionárias de uma fábrica da Triangle Shirtwaist Company em Nova York, nos Estados Unidos, entraram em greve reivindicando melhores condições de trabalho. Elas pediam uma jornada de trabalho menor (de 16 para 10 horas diárias), que seus salários fossem iguais aos dos homens e melhor tratamento no ambiente de trabalho.
E o que aconteceu?
Ainda que não exista consenso sobre o que de fato ocorreu, sabe-se que no dia 25 de março houve um incêndio na fábrica, do qual nem todos os operários escaparam. A maioria dos 600 trabalhadores conseguiu sair da fábrica, mas 146, sendo 125 mulheres, morreram.
Quando esse dia passou a ser o Dia da Mulher?
Só em 1977, quando a ONU declarou o 8 de março como o Dia Internacional da Mulher, para homenagear as lutas feministas por igualdade, justiça e respeito. Desde o começo do século XX, no entanto, movimentos sociais já vinham promovendo datas internacionais de debate sobre os direitos das mulheres. Um dos mais conhecidos aconteceu em 1911 em Copenhague, na Dinamarca, quando um encontro realizado no dia 19 de março discutiu igualdade de gêneros, sufrágio feminino e outras questões envolvendo direitos das mulheres.
Isso já faz muito tempo. Ainda precisamos desse dia?
Sim. Segundo a Organização das Nações Unidas, o salário das mulheres ainda é 27% menor dos que o dos homens que ocupam a mesma função. Isso vale para o mundo de maneira geral. A proporção de mulheres que ficam e casa e cuidam de afazeres domésticos não remunerados é duas vezes e meia maior do que a de homens.


ASCOM
Reporte-nos algum problema! Ouvidoria