PÁGINAS
  • 04:19
O início das atividades do CAEE, ocorreu na tarde desta segunda-feira, 20, na escola municipal que fica no conjunto Antônio Carlos Magalhães, em evento que contou com a presença do prefeito Alivanaldo Martins, Vonte, o secretário da educação do município, Eleací Dias Magalhães Júnior e outras personalidades como a coordenadora pedagógica do programa, Débora Ferraz e a professora Fidelcina Santos, coordenadora pedagógica geral do município.
O Centro de Atendimento Educacional Especializado funcionará no anexo daquela unidade escolar e atenderá crianças portadoras de necessidades especiais. Hoje, 85 crianças estão matriculadas, porém, estima-se que 100 crianças sejam atendidas pelo programa.
2 psicopedagogas, 1psicóloga, 1 fonoaudióloga e 1 fisioterapeuta, atuarão no dia-a-dia com as crianças naquele setor de educação, mas a coordenação ainda busca a parceria de 1 neurologista e 1 psicanalista para garantir melhor atendimento aos alunos.
Algumas profissionais foram apresentadas na tarde desta segunda-feira.
O prefeito Vonte, garantiu apoio e atenção às crianças que serão atendidas no local e se colocou à disposição para fazer o melhor pela educação do município. O gestor disse que atenderá a solicitação da coordenadora Débora para garantir mais comodidade às crianças e profissionais nas salas de atendimento.
O secretário da educação, Eleací Dias, Léo, se prontificou em oferecer a valorização e apoio àqueles que são atendidos no programa, priorizando a integração da criança.
A coordenadora, Débora Ferraz, mencionou as dificuldades encontradas para levar adiante a proposta de trabalhar em prol das crianças portadoras de necessidades especiais e pediu apoio a todos, dizendo-se pronta a fazer o melhor com sua equipe pela  valorização dos educandos.
Fidelcina, Fidel, destacou a importância das parceria entre: escola, família e comunidade, abordando, o atendimento especializado que cada criança encontra quando inserida no CAEE. A coordenadora disse que o tratamento tem que ser especial, destacando que cada criança precisa primeiro do apoio da própria família.
"Os pais não se trocam, são para sempre", disse Fidel.
Para a fonoaudióloga, Késsia Rios, que participou do evento, não é possível fazer o melhor sem a ajuda dos pais e dos alunos, alertando sobre o esforço que cada um deve fazer para a obtenção dos resultados e a reabilitação esperada. De acordo com Késsia, o portador de necessidades especiais, necessita de atenção. Ela disse ainda que é preciso observar as limitações, ter paciência e cuidado.


ASCOM
Reporte-nos algum problema! Ouvidoria